Alporquia!




Alporquia. A palavra não soa muito bem, mas descobrir o nome técnico para o que eu pretendia fazer ajudou, e muito, na minha pesquisa pela internet.

Tenho aqui em casa umas árvores de fruto, nomedamente um diospireiro, uma laranjeira, uma tangerineira e também uma camélia.

 O objectivo era, a partir destas fazer outras árvores, ou seja o que eu queria mesmo era fazer a tal alporquia ou alporque, que é nada mais nada menos que um método de reprodução assexuada de plantas, uma espécie de clonagem de plantas, que provoca a formação de raízes num ramo de uma planta já enraizada.  Estas novas árvores poderão depois ser usadas para aumentar ao pomar ou até mesmo para oferecer a alguém.

Devido ao fato de não ser tão agressivo como a estaquia, a alporquia é um método indicado para plantas que têm dificuldade de se enraizarem por estacas.  

O método consiste basicamente em interromper o fluxo de seiva em um determinado ponto da planta, imediatamente abaixo do ponto de onde queremos fazer a divisão, desta forma estaremos forçando o aparecimento de novas raízes. 

O período ideal para a prática da alporquia é o início da primavera ou no final do verão.

Antes de me perguntar como se desenvolveria este processo de produção de novas árvores, andei a ver preços no mercado municipal e verifiquei que os preços rondam os 15€/20€ por árvore, isto quando são pequenas; se forem maiores os preços sobem.

Estando nós nesta maravilhosa estação da Primavera, que tanto gosto, e não querendo eu gastar dinheiro nas ditas àrvores, decidi procurar informação de como fazer árvores a partir de outras. 

Além do desafio, será um grande orgulho se eu, sem conhecimentos praticamente nenhuns de jardinagem, conseguir atingir este meu objectivo. Seria uma grande vitória para mim! :)

Como tal, e para quem se decidir a aventurar na mesma predisposição que eu, descreverei por passos como desenvolvi o tal processo: 

1. A escolha do ramo da árvore para fazer o alporque. Deve-se escolher um ramo sadio e que não faça falta à planta, de preferência antes de uma ramificação em forma de V. O corte que vêm na imagem é o corte feito na camélia. 
  

2. Com uma faca, fiz dois cortes logo abaixo da última folha do tronco do ramo escolhido. Retirei a casca a toda a volta entre os cortes, mas com cuidado para não danificar a parte interna do caule. O tamanho do corte deverá ser entre duas a três vezes a grossura do ramo propriamente dito.  O corte que vêm na imagem é o corte feito na camélia. 
 
3. Envolvi a região em torno do corte com musgo humedecido. Não se deverá usar demasiado musgo. Caso contrário, ele poderá arrefecer a árvore excessivamente e apodrecê-la. As próximas imagens são do diospireiro.



4. Envolvi o musgo em plástico, de preferência transparente e perfurado para que se possa ver o desenvolvimento das raízes, e prendi com fita adesiva impermeável as extremidades, pressionando bem para que adira bem e não se solte.
5. Passados alguns dias começará a deitar raízes. Depois de ter as raízes desenvolvidas, o que levará algumas semanas, corta-se o ramo abaixo do local de alporque com uma tesoura de poda num corte horizontal. Ao longo de todo o processo, deverá regar-se o musgo de modo que se mantenha húmido. 


6. Quando as raízes estiverem bem desenvolvidas, deverá retirar-se o plástico com cuidado e manter-se o musgo junto às raízes para que as mesmas não se danifiquem. Posteriomente, deverá ser colocada num vaso grande em terra bem estrumada e com fertilizante.

Para já, a minha experiência vai no quarto passo.  

Todos estes passos foram testemunhados sob o olhar atento da gatinha que por aqui anda e que me acompanha para onde quer que vá. Aqui fica uma foto dela com o seu ar preguiçoso. :)


Os próximos passos virão, ou não! Espero ser bem sucedida e em breve ter novidades! :)








9 comentários:

  1. Eu conhecia essa técnica por enxerto. Os meus pais fizeram isso com um limoeiro transformando-o em laranjeira.
    Já foi há largos anos e ainda hoje dá laranjas enormes e doces.
    Beijinho e espero em breve ver os teus progressos com as tuas árvores :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, querida Guidinha. Isso é que foi um enxerto de sucesso! Espero ter a mesma sorte :)

      Beijinho

      Excluir
    2. A técnica de enxertia difere desta...alporque é uma forma de replicar uma planta ..a enxertia, tem a ver com duas espécies diferentes e fazer com que numa mesma planta, possamos ver duas espécies....os procedimentos sao muito diferentes!!!!!

      Excluir
  2. Muito interessante...
    Espero que corra bem :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tens que experimentar também, isto se a minha experiência for animadora :)

      Beijinho

      Excluir
  3. Isto não é um enxerto

    ResponderExcluir
  4. Muito bom!!!! Obrigado!! ;)

    ResponderExcluir
  5. Interessante! É aconselhavel fazer em que meses?
    Obrigada :)

    ResponderExcluir
  6. Interessante! É aconselhavel fazer em que meses?
    Obrigada :)

    ResponderExcluir

Obrigada pelas palavras de inspiração! :)